HONNORÉ DAUMIER (1808-1879) 

1808 - A 26 de Fevereiro nasce Honoré Daumier em Marselha


1816 - Daumier vai para Paris com a família. São tempos dificeis. O pai, Jean-Baptiste Daumier, poeta, autor dramático e emoldurador, fica desempregado.


1818 - A 5 de Março morre a mãe de Honoré Daumier, Cécile-Catherine.


1820 - Honoré Daumier emprega-se como paquete de notário, trabalho que é evocado na 1ª litografia da série Tipos, publicada no Charivari, em 23 de Setembro de 1835.


1821 - Em Fevereiro, Honoré Daumier deixa o emprego anterior e começa a trabalhar numa livraria, próximo do Museu do Louvre. Pouco tempo depois passa a ajudante do litógrafo Ramelet, instalado na mesma zona.


1822 - A 16 de Agosto, 11 de Setembro e 20 de Dezembro são feitos os depósitos legais das três primeiras litografias feitas por Daumier.


1823 - A 2 de Julho, surge pela 1ª vez em cena a figura de Robert Macaire, representada pela actor Lemaître, que mais tarde haveria de ser recriada por Daumier. A figura era de tal ordem corrosiva que o poder proibiu-a, em Abril de 1824.

- Daumier emprega-se como aprendiz de Zéphirin Belliard que de miniaturista se especializa no retrato litografado. Tem como função preparar as pedras litográficas.


1829 - Em Maio, aparece o jornal “La Silhouette”, 1º semanário ilustrado satírico de França, criado por Philipon, Ratier e Ricourt. Desaparecerá em Maio de 1831.


1830 - A 22 de Julho, La Silhouette publica “Passe ton chemin, cochon!”, um desenho de Daumier.

- Em 27/29 de Julho, Daumier participa nas jornadas revolucionárias Três Gloriosas que inflamam Paris.

- A 4 de Novembro surge o 1º número de “La Caricature”, jornal que mais tarde viria a contar com a longa colaboração de Daumier, no qual ele haveria de publicar pelo menos 1.000 desenhos feitos sobre madeira.

- A 1 de Dezembro é publicada em “La Caricatutre” o primeiro cartoon político contra o rei Louis-Philippe: “Pauvres moutons. Ah! Vous aurez beau faire/ toujours on vous tondra”.

- 10 de Dezembro, surge uma nova lei de Imprensa, lei limitativa do exercício da imprensa. Daumier está no começo da sua arte caricatural.


1831 - Em Dezembro são destruidas pedras e folhas impressas com litografias de Daumier que neste ano inicia a colaboração no jornal “La Liberté”, orgão do “comité de saúde artística”.


1831/32 - Daumier conhece o escritor Balzac, Honoré como ele.


1832 - A 13 de Janeiro, Charles Philipon é preso com uma pena de seis meses, acusado de abuso de liberdade de imprensa

- A 9 de Fevereiro surge em “La Caricature” a primeira caricatura de Daumier : “Trés humbles, trés soumis, trés obeissants”.

- A 7 de Março, Philipon é condenado por “ofensas a Sua Majestade o Rei e a um dos membros da sua família”.

- A 28 de Julho, Philipon é de novo encarcerado.

- A 27 de Agosto, Daumier é condenado a seis meses de prisão por causa do desenho “Gargantua”, no qual sartiriza o rei Louis-Philippe, e vai para a cadeia de Sainte Pélagie, onde já se encontra Philipon.

- A 1 de Dezembro sai o 1º número, gratuito, do Charivari, cuja tiragem foi de 200 mil exemplares. (Cinquenta e quatro anos mais tarde, em 1886, vai surgir no Porto um jornal humorístico com o mesmo nome - Charivari - a exemplo do que acontecera noutros países).


1833 - A 6 de Maio é publicada no Charivari a 1ª litografia de Honoré Daumier feita em pedra francesa: “Le bois est cher et les arts ne vont pas”.

- Em Julho, o jornal “La Caricature” publica dois desenbos de Daumier alusivos à Guerra Civil portuguesa: D. Pedro (liberal) e D. Miguel (absolutista) são sartirizados.

- Em Novembro, Daumier colabora em “La Chronique de Paris”, com 32 vinhetas, e no “Journal des Enfants”, com 5 gravuras feitas em madeira.


1835 - Na Primavera, Daumier publica em “La Caricature”, uma série de desenhos contra a censura à imprensa.

- A 27 de Agosto é publicada a ultima caricatura política em vários anos : “C´etait vraiment bien la peine de mon faire tuer”

- A lei de 29 de Agosto vai probir este tipo de publicação.

Por isso, Daumier vai dedicar-se à caricatura social e à satira aos costumes e à vida teatral.


1836 - A partir de 20 de Agosto (até 25 de Nov. de 1838) Le Charivari publica 101 litografias dos Robert Macaire, sob o título Caricaturana. Os desenhos são de Daumier e as legendas de Philipon. Robert Macaire é uma personagem retirada do actor Fréderick Lemaitre, para denunciar a corrupção, os crimes, o oportunismo e às vilezas do escroque (Macaire) que representava a burguesia de então.


1840 - A partir deste ano, Daumier vai dedicar-se cada vez mais à pintura.


1845 - A 15 de Maio, Baudelaire fala de Daumier no Louvre, considerando-o um dos dois parisienses que desenham tão bem como Delacroix.


1846 - A 16 de Abril, Daumier casa com Marie-Alexandrine Dassy ( ou d´Assy) . “Ma didine” chamava-lhe Daumier.


1850 - A 28 de Setembro surge a personagem Ratapoil, alusiva aos sinistros agentes do rei.


1851- Ano da morte, pouco documentada, de Jean-Baptiste Daumier.


1852 - O golpe de Estado de 2 de Dezembro faz aumentar a repressão sobre a imprensa. Daumier protege-se com litografias de costumes, tendo a sua produção sido de 1.200 obras, pelo menos, em oito anos.


1857 - A 1 de Outubro, Baudelaire publica “Quelques caricaturistes français” na revista “Le Présent, revue universelle”, dando um lugar de destaque a Daumier.


1860 - Em Março, Daumier é despedido do Charivari, após 27 anos de trabalho. (Só irá regressar em 1863, após a morte de Philipon com quem se incompatibilizara). Em consequência disso, Daumier debate-se com graves dificuldades económicas.


1861 - Philipon escreve artigos contra Daumier em várias publicações


1862 - Daumier começa a colaborar em “Le Boulevard”, jornal que a 28 de Maio publica a sua célebre gravura de Nadar num balão : “Nadar élevant la photographie à la hauteur de l´Art”.

- A 14 de Junho fecha o”Boulevard”.


1864 - Em Julho inicia-se uma intensa colaboração de Daumier com “Le Journal Amusant” e “Le Petit Journal pour rire”.


1867 - Com o abrandamento da censura, Daumier retoma os temas políticos e assume a sua postura anti-poder, contra o imperialismo e o militarismo prussianos.


1871 - Delegado das Belas Artes na Comuna de Paris e membro de uma comissão de quinze pintores e escultores, presidida por Courbet, que tem a incumbência de salvaguardar as obras de arte dos museus.

- Colabora em 22 de Outubro na “Revue Comique” (15 de Out a 17 de Dezembro)


1872 - A 14 de Setembro é publicada no Charivari a última litografia de Daumier : “Et pendant ce temps-la ils continuent à affirmer qu´elle ne s´est jamais mieus portée”.


1877 - Daumier está quase cego e o médico impede-o de trabalhar.

- A 15 de Abril, Geoffroy-Dechaune lança a ideia de uma exposição com as obras de Daumier.

1878 - Em Janeiro é anunciada a exposição de obras de Honoré Daumier. A comissão de honra, integrada por artistas e jornalistas, é presidida por Victor Hugo.

- Em Março ,ou maio, Daumier termina a sua colaboração no “Monde Illustré”.

- De 17 de Abril a 15 de Junho decorre a exposição de trabalhos de Daumier (incluindo de pintura e escultura) na Galerie Durand-Ruel. O autor não pôde estar presente na inauguração por causa de uma intervenção cirúrgica aos olhos.


1879 - A 10 de Fevereiro, Daumier morre em Valmondois, cujo pároco recusa o enterro religioso, como se a Igreja o amaldiçoasse por causa das suas caricaturas anti-clericais. Entre os muitos amigos que acompanham o funeral estão Vitor Hugo e Léon Gambetta.


1901 - Faz-se a 1ª grande Exposição póstuma na Escola de Belas Artes , sob a égide dos sindicatos da imprensa artística.

 

 


HONNORÉ DAUMIER